Quarta, Março 04, 2015
   
Text Size

Com o grande sucesso dos blocos de rua mesmo sem verba do governo, as 21 agremiações, que não desfilaram por falta de dinheiro, temem perder espaço na folia candanga e cobram do GDF soluções para 2016
» CAMILA COSTA, do Correio Braziliense, 1º/03/2015
A crise financeira histórica do Distrito Federal não restringiu os cortes apenas aos pagamentos de servidores. Chegou também ao carnaval. Ainda que os blocos tenham superado a falta de dinheiro e feito sucesso inédito nas ruas, com público de 1 milhão de pessoas — segundo a Liga dos Blocos —, as 21 escolas de samba não tiveram a mesma sorte e, por falta de recurso, não colocaram seus carros na avenida. A preocupação, agora, vai além do investimento legal (veja O que diz a lei) previsto para a folia. Presidentes, diretores e representantes das agremiações do DF temem que o desfile não saia mais dos barracões por falta de interesse do governo em resolver, principalmente, as questões burocráticas relacionadas ao carnaval.

No rol das maiores manifestações culturais do mundo, o carnaval não é feito apenas de fantasias, brilhos, confetes e serpentinas. Muita coisa tem que ser organizada para a festa acontecer. E, para isso, é preciso dinheiro. No governo Agnelo Queiroz, foi aprovado o repasse de R$ 6,35 milhões às escolas para o carnaval de 2015. Mas o rombo financeiro diagnosticado durante a transição foi confirmado pela atual gestão, que, na tentativa de conter gastos, não permitiu que a verba fosse liberada. Agora que o carnaval passou, muitos carnavalescos demonstram receio na organização para 2016.
Segundo o presidente do Conselho de Administração da ARUC: "Queríamos que isso já estivesse resolvido. O governo demonstrou a intenção de voltar com os desfiles em 2016, mas, até agora, nenhum secretário se manifestou publicamente de forma afirmativa sobre o assunto. Dois anos sem desfile é decretar a falência"

Hélio dos Santos, presidente do Conselho de Administração da ARUC, Hélio dos Santos, as escolas ainda não foram procuradas para se discutir como ficará a próxima festa. Eles se preocupam como será quitada a dívida das agremiações com os prestadores de serviços e fornecedores, contratados no ano passado para executar o desfile de 2015. “Nossa maior preocupação é em relação ao governo tomar uma posição com antecedência porque, se demorar, ficará mais um ano sem carnaval. Queríamos que isso já estivesse resolvido. O governo demonstrou a intenção de voltar com os desfiles em 2016, mas, até agora, nenhum secretário se manifestou publicamente de forma afirmativa sobre o assunto. Dois anos sem desfile é decretar a falência”, avaliou o diretor. 

Só em dívida, o carnaval amarga, de acordo com estimativa da União das Escolas de Samba e Blocos de Enredo do DF (Uniesbe), R$ 2 milhões. A Acadêmicos da Asa Norte, por exemplo, soma um passivo de R$ 350 mil. A escola estava com 80% do carnaval prontos. Com a dúvida sobre o futuro da festa, a agremiação afirmou que faz eventos na sede da escola regularmente a fim de arrecadar dinheiro. “Estamos tentando viabilizar a escola. Fazemos eventos, alugamos o espaço, para ver se tapa o buraco que o governo deixou. Estamos com medo, sim, dessa incerteza do governo. A verdade é essa. Eles estão indecisos se farão ou não o desfile”, observou o presidente da Acadêmicos, Robson Farias. Para ele, desestimular os desfiles é começar uma trajetória de fim. “Estarão cravando uma estaca no peito da cultura”, lamentou.

Temor
Este seria o segundo ano da Coruja Serrana, de Sobradinho II, na avenida do samba de Brasília. Atualmente, depois da frustração de não desfilar, integrantes da agremiação tentam administrar outro medo: o de não ser mais importante para o carnaval. Se, mesmo sem dinheiro e sem a participação das 21 escolas de samba do DF, o carnaval foi um sucesso, qual seria a necessidade de o governo continuar investindo nesse lado da folia? “Pode ser que isso enfraqueça o desfile das escolas. Só querem um motivo para não fazerem mais nada. Não deram dinheiro, os blocos foram para a rua, foi tudo um sucesso, todo mundo elogiou. Mas e as escolas? É preciso respeitar as escolas”, declarou o presidente da Coruja Serrana, Rony Pala. “A preocupação é para todos, mas o governo é que precisa resolver”, resumiu o presidente da Aruremas, escola do Recanto das Emas.

Presidente da União das Escolas de Samba e Blocos de Enredo do DF (Uniesbe) e da Águia Imperial, de Ceilândia, Geomar Leite afirmou que a ajuda do governo é fundamental para que as agremiações voltem a desfilar. Segundo ele, o sucesso visto com a saída apenas dos bloquinhos de rua seria o mesmo se as agremiações tivessem desfilado. Para ele, a maior preocupação não é com a perda de lugar no carnaval da cidade, mas, sim, com as garantias de que a folia vai mesmo acontecer. “Estaremos juntos no próximo ano. Os blocos são uma coisa e as escolas de samba, outra. O desfile é um teatro ao ar livre. E o carnaval tem que crescer mesmo. Mas uma coisa é certa: aceitamos as dificuldades num primeiro momento, mas não vamos aceitar num segundo. Vamos garantir o cumprimento da lei”, avisou Leite.

Responsável pelo gerenciamento do carnaval da cidade, a Secretaria de Turismo afirmou que começará a dialogar com as escolas. Ainda não tem data prevista. Porém, segundo o secretário da pasta, Jaime Recena, não há motivo para preocupações. “Uma coisa não tira o brilho da outra. O desfile das escola é importante, tradicional, e não é porque os blocos deram muito certo que isso vai mudar. Uma coisa não tem relação com a outra. Temos que começar a planejar, ver a questão das dívidas contraídas, e o desfile será retomado”, garantiu Recena.


O que diz a Lei

O carnaval brasiliense é garantido pela Lei nº 4.738, de 29 de dezembro de 2011. A regra determina a responsabilidade do GDF em pagar “a infraestrutura, os serviços públicos de apoio e a divulgação necessários à realização do carnaval do Distrito Federal”. A lei esclarece ainda que esses recursos devem ser pagos antecipadamente, em pelo menos três parcelas, às escolas de samba, aos blocos de enredo e aos blocos carnavalescos, para possibilitar a utilização na preparação dos desfiles contratados.


Dívida com fornecedores

A produção de um desfile de escola de samba começa quase um ano antes de as agremiações entrarem no Sambódromo. Em 44 anos de espetáculo, Brasília ficou sem a folia oficial quatro vezes. Apenas em 2015, o motivo foi a falta de verba do Governo do Distrito Federal (GDF). Todo ano, a União das Escolas de Samba e Blocos de Enredo do DF faz uma carta de crédito com lojas de São Paulo, do Rio de Janeiro e de Brasília para que os grupos possam adiantar o serviço e começar a produzir as fantasias. À medida que as agremiações vão recebendo o dinheiro, a dívida é paga. Como não houve repasse de verba, as linhas de créditos abertas ainda não foram pagas.

   

Inscrições abertas para Campeonato Brasiliense de Beach Soccer 2015

Vem aí mais uma edição do Campeonato Brasiliense de Beach Soccer, promovido pela Federação do DF. As inscrições serão recebidas na sede da Federação (Área Especial nº08 - Cruzeiro Velho) até o dia 11 de março, às 18 horas. Ficam convidados os inscritos para o Congresso Técnico às 18h30 do dia 11 de março no endereço acima. O início do campeonato será no dia 14 de março, conforme a tabela a ser divulgada após a realização do congresso técnico. O campeonato seguirá as regras oficiais da Confederação Brasileira de Beach Soccer (CBBS). Cada equipe poderá inscrever no máximo 20 (vinte) atletas, sendo dois goleiros, onde todos deverão estar uniformizados com camisas numeradas e shorts iguais. Cada equipe deverá recolher o valor de R$ 350,00 (trezentos e cinquenta reais) referentes a taxa de inscrição para pagamento de despesas com arbitragem, água, frutas básicas para os atletas. O pagamento deverá ser feito junto com a entrega da inscrição até o dia 11/03 na sede da Federação.

 

O sistema de disputa será da seguinte forma: a)Fase Classificatória: 08 equipes divididas em 02 chaves com 04 equipes cada. As equipes jogarão entre si dentro da chave e se classificarão as 02 que fizerem o maior número de pontos para próxima fase. b)Fase Semi-final: Dois jogos, onde a primeira colocada de uma chave enfrentará a segunda colocada da outra chave em partida única. As vencedoras avançam. c) Fase Final: Jogo único entre as equipes vencedoras da semi-final decidem o 1º e 2º lugar. Serão premiados com troféus as equipes em 1º e 2º lugar, o artilheiro da competição, o melhor goleiro e o atleta revelação. O campeão ainda receberá prêmio no valor de R$ 400,00 e o vice campeão receberá prêmio no valor de R$100,00.

Para maiores informações os interessados deverão entrar em contato pessoal na sede ou pelo telefone 3361-1649, ou pelo celular 8529-7192 com Pedro Gonzalez, ou pelo 9213-9218 com Paulo Bulhões (Fokkus).

Paulo César Bulhões Wassouf  - Presidente da FBSDF

Resultado do 2º Torneio Amigos do Futevolei

Disputado dia 22/02 no Parque da Cidade. Eis a classificação final:

1° Hélio e Rafael DD
2° Fábio e Adriano
3° Garimba e Cambão
Torneio organizado pela Federação de Beach Soccer do DF com apoio da ARUC e Fokkus Trade. As duplas foram organizadas pelo Léo.
Vale lembrar que no Parque da cidade temos a "Ilha do Futevôlei" com apoio do Tchê.
   

ARUC Show

Memória do Cruzeiro

Espaço para Locação

  • Aluguel de Salões para eventos.
  • Contato: 3361-1649
  • E-mail: aruc.df@gmail.com
BloggerFacebookTwitterYoutubePicasa

Parceiros